• Pedro Moacir Joazeiro

E O "BENDITO" BLOCO K

Atualizado: 7 de Mar de 2018



O que é o Bloco K?

Temos ouvido muito sobre o Bloco K, complemento da EFD (Escrituração Fiscal Digital), que deveria ser apresentado com obrigatoriedade ao fisco em fevereiro de 2016, mas houveram e continuam havendo mudanças até a presente data, como a simplificação de dados recentemente publicada.


Mas, na real, o que é o bloco K?

O Bloco K é a versão digital do livro de controle da produção e estoques da sua empresa.

Apesar de parecer apenas mais uma obrigação imposta pelo governo, a geração do Bloco K instiga ao empresário gerir seu patrimônio de forma mais adequada, podendo também diminuir o risco fiscal de sua empresa.

Aliás, tanto o Bloco K não é novidade, que já existe dentro do ERP Integrum desde sua concepção.

Ele apenas será gerado no modelo SPED na data de sua obrigatoriedade.

Independentemente do envio deste ao fisco, que é obrigação legal, você pode, ao usar de forma adequada os recursos mais básicos do Integrum Gestão Empresarial, usufruir de preciosas informações. Desde já, agregue oportunidades de redução de custos e estratégias de crescimento, em especial neste momento de retração da economia.


Dúvidas Frequentes

O que é SPED?


Sistema Público de Escrituração Digital.


É composta por:

  • NF-e – nota fiscal eletrônica;

  • CT-e – conhecimento de transporte eletrônico;

  • EFD – escrituração fiscal digital;

  • ECD – escrituração contábil digital;

  • NFS-e – nota fiscal de serviços eletrônica.

O que é a EFD?

A EFD é a repartição do SPED onde o Bloco K se encontra. Ela deve ser transmitida para a Receita Federal em formato digital.


De qual parte o Bloco K trata?

O Bloco K trata da parte de produção da empresa e das entradas e saídas de distribuidoras/revendas. É a versão digital do livro de registo de controle de produção e estoque.


O que acontece se o Bloco K da minha empresa não for transmitido?

Sua empresa pode receber altas multas ou ter suspensos os serviços fornecidos pela Receita Federal, como a emissão de notas fiscais eletrônicas.


Quais informações do processo produtivo são requeridas no Bloco K?

  • Quantidade produzida;

  • Quantidade de materiais consumida;

  • Quantidade produzida em/de terceiros;

  • Quantidade de materiais consumida na produção em/de terceiros;

  • Movimentações internas de estoque que não estejam diretamente relacionadas à produção;

  • Posição de estoque de todos os seus produtos acabados, semiacabados e matérias primas.

Quais os principais registros relacionados ao Bloco K?

  • Registro 0200: tabela de identificação do item;

  • Registro 0210: consumo específico padronizado;

  • Registro K200: estoque escriturado;

  • Registro K220: movimentações internas entre mercadorias;

  • Registro K230: itens produzidos;

  • Registro K235: insumos consumidos;

  • Registro K250: industrialização efetuada por terceiros – itens produzidos;

  • Registro K255: industrialização em terceiros – insumos consumidos.

A Visão da Integrum

Nós, da Integrum, entendemos que o Bloco K é sim mais uma burocracia para tratar a sonegação no Brasil. Que, em tese, se reduzida a carga tributária, haveria outros métodos de eliminar a sonegação e minimizar a oneração do Empreendedor e que hoje é (estas exigências legais) fortemente impactante sobre os custos dos fornecedores de software (incluindo a Integrum) e prestadores de serviços contábeis.


Mas existe um lado positivo!

  • O Bloco K é uma ação de gestão, e não de sistema. Ou seja, propõe de forma coerente o controle de seus estoques, seus processos e, por conta disso, seus custos. Fazendo parte da Boa Gestão;

  • No Integrum, o Bloco K será gerado juntamente com o EFD (SPED Fiscal), que já é entregue pelo sistema ao longo dos tempos;

  • Você não vai lidar no sistema com uma “tela” do Bloco K, como muitos tem nos solicitado. Por isso, na apresentação que segue, inserimos um conjunto de ações que lhes garantirão a geração deste pelo Integrum, de forma segura e correta;

  • Não deixe para a última hora: informe-se do assunto pela internet, converse com seus contadores/escritórios sobre o tema e lembre-se que a gestão da sua empresa é responsabilidade sua. Nós estamos aqui para lhes ajudar se preciso, e mantemos constantes e significativos investimentos para garantir sua adequada resposta ao fisco.

Você deve estar à frente dos fatos!

Vamos lá então!

Você está preparado para o Bloco K?

Sabe o valor dos seus estoques?

Sua empresa gerencia os envios a terceiros com a atenção necessária?

Você tem controle do que gira e o que não gira no seu estoque?

Do estoque “parado”, tens noção do custo de mantê-lo?


Para se certificar de que você fique com tudo em dia, é só fazer o seguinte:


1 - Cadastro de Produtos

  • O cadastro deve ser limpo, único, sem duplicidades. Não existem dois produtos iguais com referências/códigos diferentes;

  • Cada produto deve ser cadastrado de acordo com um dos doze tipos especificados pelo SPED (o Integrum propõe assim).

2 - Cadastro de Consumo Específico

  • O consumo específico representa os ingredientes da “receita do bolo”;

  • No Integrum, é conhecido como estrutura do produto e é cadastrado na tela clt120m - Engenharia de Produtos do iManufatura (este cadastro também conhecido no mercado como BOM (bill of materials));

  • O consumo específico deve ser cadastrado de forma precisa, tanto nos materiais (quais são eles), quanto no consumo (o quanto são), na composição da estrutura do bem/produto, dentro da “árvore”; (Importante definir as perdas padrões nestes casos).

3 - Cadastro de Entradas e Saídas

  • Este registro refere-se ao movimento básico do estoque, gerado prioritariamente pelas notas de entradas e saídas registradas por Você no Integrum;

  • Em linhas gerais, por nossos clientes serem exclusivamente indústrias, entram Matérias Primas e Componentes COMPRADOS e saem PRODUTOS PRONTOS. (Sem ter esses registros, não existe Bloco K possível).

4 - Separação de Estoques

  • Deve-se entender que o estoque deve ser o seu. Se tiveres dois ou mais CNPJ’s, JAMAIS misturar estes estoques;

  • Se Você beneficia para terceiros, deverá controlar os saldos em seu poder e tudo o que fizeres com eles;

  • Se Você envia para terceiros, deverá fazê-lo por meio de notas fiscais, pelo evento 31 do clt400 do Integrum (tela de apontamento de produção), e deverá controlar precisamente estes saldos.

5 - Geração de Ordens de Produção

  • Nestas OP’s, iremos declarar o que Você produz. Nem precisamos falar da importância delas para sua organização e para este momento do Bloco K, não é?

  • O Integrum gerencia com precisão todos os fatos exigidos pelo Fisco, Você deve apenas usar corretamente o seu sistema; (Fale conosco para orientações e dúvidas).

6 - Registro da Quantidade Consumida

  • O Integrum, por sua natureza, registra o consumo correto, de acordo com seu consumo na OF. Porém, o operador deve registrar com correção as quantidades produzidas e perdidas por quebras no processo;

  • Muito se fala no momento adequado de se registrar a saída do estoque para elaboração. Entendemos que nossos clientes, em sua grande maioria, possuem seus tempos de atravessamento” de fábrica muito curtos. Desta forma o Integrum atende plenamente pelo apontamento da primeira etapa de qualquer OF para baixa do estoque;

  • Em casos de lead time (atravessamentos) mais longos, incluir uma etapa de “separação” para “levar” os componentes para a OF já é uma opção segura e funcional, ou configurar para baixas no final do processo.

7 - Registro da Quantidade Produzida

  • Este registro é automático no Integrum, e ocorre no evento 26 do clt400, ao final da última etapa de produção;

  • Vamos repetir: as quantidades produzidas e rejeitos devem ser precisos nesta etapa, ou melhor, em todas elas, sem exceção.

8 - Registro de Outras Produções

  • Este registro trata dos subconjuntos que Você produz no Integrum. Por exemplo: Você produz uma bobina de plástico e depois a transforma em sacolas (esta bobina é tida como um subconjunto);

  • Outro relevante é a sucata útil. Através de movimentos de estoque do Integrum Você pode transformar uma “sobra” em um subproduto de venda.

9 - Controle de Estoque Confiável

  • O estoque compõe, de forma relevante, seu patrimônio. Portanto, ele deve ser considerado e respeitado com muita coerência. Deve refletir os saldos registrados no Integrum de forma realista, muito próximos do que é verdade;

  • O Integrum faz todos os movimentos em tempo real. Respeite e leve a sério os apontamentos e regras de movimentos de estoques. Evite e/ou elimine os ajustes;

  • Realize inventários periódicos, usufrua dos recursos do inventário rotativo e colha bons resultados.

10 - Registros de Movimentações Internas

  • Em tese, este é um cenário que a equipe Integrum persiste na intenção de não deixar ocorrer, ou seja, cadastrar um bem com código único, mas, produzi-lo e vendê-lo evidenciando suas características (mas com mesmo código), sendo DIFERENTES. Por exemplo: blusa ref. 1000 branca, blusa ref. 1000 amarela...

  • São artigos diferentes e, portanto, devem ter referências/códigos diferentes. Se sua empresa tiver situações como esta, Você deve entrar em contato conosco para podermos entender o cenário e tratar do assunto.

11 - Utilização de Sistema com PCP


Bom, sem um sistema a coisa toda não funciona . . .


FALE CONOSCO
       +55 51 3527.6619
comercial@integrum.inf.br
Rua Santo Ângelo, 506 - Bairro Guarani, Novo Hamburgo / RS

© 2018 por Integrum Inteligência Industrial.